Skip to main content

Casamento – Vida e Sexo, de Emmanuel

A união de dois seres em caráter permanente é como um barco que sai do porto dos sonhos em busca do mar da experiência. A manutenção dessa rota é a dedicação de cada um. Os filhos os problemas são balanços do barquinho e é necessário muito equilíbrio para que não afunde. Os desafetos do passado na presença dos filhos são as pedras tentando derrubar a embarcação.

Não nos casamos por acaso, embora existam casamentos acidentais. Tipos de casamento:

Acidentais: não foram planejados na vida espiritual e por um envolvimento qualquer se casam. Não havia na programação dessa existência o casamento e quando isso ocorre gera consequências infelizes; nunca sabemos se é casamento acidental ou providencial.

Provacionais: geralmente antes do casamento se entendem bem, como se os espíritos providenciasse para que tudo fosse cor-de-rosa e assim se casam, depois afloram as lembranças inconscientes do passado que retornam – vêm para se reajustarem. Não se depuram por sofrer e sim como aceitam a dor.

Sacrificiais: um dos cônjuges é muito mais evoluído em relação ao outro, muitas vezes nem era necessário reencarnar, mas voltam para elevar o companheiro (a). É importante não descer e assim elevar o outro.

Afins: os dois se dão muito bem – complementação – são felizes em estar juntos, igualdade de vibrações.

Transcendentais: dois espíritos evoluídos para realizarem em conjunto uma tarefa junto à coletividade, muito grande, não vêm somente para usufruir da felicidade, mas para se apoiarem e fazerem algo pelos outros.

Casamento Perfeito: é quando atingem os objetivos, o transcendental, afim, o sacrificial, etc. Quando ele é ajustado é perfeito, até o acidental poderá ser perfeito.

Colaboração: Ana Gaspar

O valor de um grupo

Um homem, que assiduamente comparecia às reuniões de um grupo de Amigos, sem comunicar a ninguém, deixou de participar de suas atividades. Depois de algumas semanas, um Amigo, integrante desse grupo, decidiu visitá-lo. Era uma noite muito fria. .

O Amigo o encontrou na sua casa, sozinho, sentado diante da lareira, onde o fogo estava brilhante e acolhedor.

Adivinhando o motivo da visita do seu Amigo, deu-lhe as boas vindas e, aproximando-se da lareira, ofereceu-lhe uma cadeira grande em frente à chaminé e, ficou quieto, esperando.

Nos minutos seguintes houve um grande silêncio. Os dois homens somente admiravam a dança das chamas, em volta dos troncos de lenha que queimavam. .

Depois de alguns minutos, o Amigo examinou as brasas que se formaram e cuidadosamente escolheu uma delas, a mais incandescente de todas, empurrando-a para fora do fogo. .

Sentando-se novamente, permaneceu silencioso e imóvel. O anfitrião prestava atenção a tudo, fascinado e quieto. Dentro de pouco tempo, a chama da brasa solitária diminuiu, até que após um brilho momentâneo, seu fogo se apagou em um instante.

Dentro de pouco tempo, o que antes era uma festa de calor e luz, agora não passava de um preto, frio e morto pedaço de carvão recoberto de uma espessa camada de cinza. Nenhuma palavra tinha sido pronunciada, desde a protocolar saudação inicial entre os dois amigos. .

Antes de se preparar para ir embora, o Amigo movimentou novamente o pedaço de carvão, já apagado, frio e inútil, colocando-o novamente no meio do fogo. .

Quase que imediatamente, o carvão voltou a desprender uma chama, alimentada pela luz e o calor das labaredas dos outros carvões, em brasa ao redor dele. .

Quando o Amigo se aproximou da porta para ir embora, seu anfitrião lhe disse:- Obrigado pela tua visita e pelo belíssimo sermão… Retornarei ao grupo de Amigos que muito bem me fez. .

Reflexões:

Aos membros de um grupo, vale sempre lembrar-lhes que eles fazem parte da “chama” do grupo e que longe dela perdem todo seu brilho. .

Aos Amigos de um grupo vale a pena sempre lembrar-lhes que eles também são responsáveis de manter acesa a chama da AMIZADE entre cada um dos seus membros e de promover a união entre todos eles, para que o fogo seja sempre realmente forte, eficaz e duradouro.

Ter amigos, é um hábito que funciona para nos fortalecer, tanto física, como mentalmente.O convívio com as pessoas, nos tornam felizes, saudáveis e ajuda a ter uma vida mais longa.Se você não pertence a nenhum grupo, mas decide fazê-lo diminui pela metade seu risco de morrer no ano seguinte.

Exageros a parte, a convivência pode funcionar como uma vacina, contra as ameaças a saúde física e mental, o que é muito mais barato que os métodos farmacêuticos e com muito menos efeitos colaterais.Quando vamos a um médico realizar check-up, podem surgir essas perguntas: Quantos amigos você tem? Qual a importância deles na tua vida? De quem lembramos nesta hora: de nossos primos? De nossos companheiros de ginástica? Dos colegas do inglês? De nossos colegas de trabalho?  De nossos conhecidos “virtuais”, ou daqueles dois ou três amigos queridos, que percebem que você não está bem, apenas pela entonação de voz, ao atender o telefone. Se você lembrar desta maneira, seu médico lhe dará os parabéns pelas interações saudáveis e, você sai do consultório, certo de que pertence a um grupo.

Isso não acontece sempre nas consultas, mas deveria ser, porque pertencer a um grupo é um fator fundamental de saúde e, é tão importante quanto dietas e exercícios.Várias pesquisas nos comprovam esse ponto de vista, cada dia mais fortalecido, num mundo em que nossa tendência muitas vezes é isolar-se, devido ao estilo moderno de vida, e as ameaças de perigo que a vida moderna nos impõe.

Sair de casa as vezes nos coloca em muitos riscos, porque enfrentamos trânsito, lugares mais perigosos e isso tem acomodado as pessoas que ficam mais em casa vendo TV, ou ligadas no computador. Um estudo realizado com 665 pessoas que haviam sofrido derrame (2005) pela pesquisadora Bernadette Boder Albala, professora universitária nos EUA, chamou a atenção dos pesquisadores de saúde: pacientes socialmente isolados, tem quase o dobro de possibilidades de ter outra manifestação de patologia, em cinco anos, quando comparados com os que tem relação social intensa, que proporcionam não apenas companhia, mas troca de prazer. Outra pesquisa importante feita em Harvard, que acompanhou 16.638 americanos por um período de mais de seis anos, revelaram que a perda de memória é consideravelmente menor, em pessoas socialmente mais ativas.

Outro estudo publicado no periódico Psychological Sciência, indica que pessoas retraídas e com poucos amigos,costumavam contrair resfriados duas vezes mais, quando comparados com os mais sociáveis, mesmo considerando o fato de que essas últimas, provavelmente estão mais expostos a contaminação.Há cada vez mais evidências, de que o risco do isolamento é comparado aos que fumam, que tem hipertensão e obesidade.

Pertencer a grupos sociais, ainda que nem todos ofereçam oportunidades de relacionamentos mais profundos é particularmente crítico, para as pessoas em situação de grande estresse, em especial, quando somos obrigados a suportar perdas e mudanças dolorosas.A convivência social é altamente benéfica, além se ser algo quase sempre divertido.

Fonte:  ( O valor do grupo )  http://pt.slideshare.net/ e Scientific American Fragmentos do texto de Iolanda Jetten, Catherine Haslam, S. Alexander Haslam e Nula Bran Scombe http://ngrevista.com.br/

O Caminho de volta

Já estou voltando. Só tenho 37 anos e já estou fazendo o caminho de volta. Até o ano passado eu ainda estava indo. Indo morar no apartamento mais alto do prédio mais alto do bairro mais nobre. Indo comprar o carro do ano, a bolsa de marca, a roupa da moda.

Claro que para isso, durante o caminho de ida, eu fazia hora extra, fazia serão, fazia dos fins de semana eternas segundas-feiras. Até que um dia, meu filho quase chamou a babá de mãe!

Mas, com quase quarenta, eu estava chegando lá. Onde mesmo? No que ninguém conseguiu responder, eu imaginei que quando chegasse lá ia ter uma placa com a palavra “fim”. Antes dela, avistei a placa de “retorno” e nela mesmo dei meia volta.

Comprei uma casa no campo (maneira chique de falar, mas ela é no meio do mato mesmo). É longe que só a gota serena. Longe do prédio mais alto, do bairro mais chique, do carro mais novo, da hora extra, da babá quase mãe.

Agora tenho menos dinheiro e mais filho. Menos marca e mais tempo. E não é que meus pais (que quando eu morava no bairro nobre me visitaram quatro vezes em quatro anos), agora vêm pra cá todo fim de semana? E meu filho anda de bicicleta, eu rego as plantas e meu marido descobriu que gosta de cozinhar (principalmente quando os ingredientes vêm da horta que ele mesmo plantou).

Por aqui, quando chove, a Internet não chega. Fico torcendo que chova, porque é quando meu filho, espontaneamente (por falta do que fazer mesmo) abre um livro e, pasmem, lê. E no que alguém diz “a internet voltou!” já é tarde demais porque o livro já está melhor que o Facebook e o Twitter juntos.

Aqui se chama “aldeia” e tal qual uma aldeia indígena, vira e mexe eu faço a dança da chuva, o chá com a planta, a rede de cama, assamos milho na fogueira. Aos domingos, converso com os vizinhos. Nas segundas, vou trabalhar, contando as horas para voltar.

Aí eu me lembro da placa “retorno” e acho que nela deveria ter um subtítulo que diz assim: “retorno – última chance de você salvar sua vida!” Você provavelmente ainda está indo. Não é culpa sua. É culpa do comercial que disse: “Compre um e leve dois”. Nós, da banda de cá, esperamos sua visita. Porque sim, mais dia menos dia, você também vai querer fazer o caminho de volta.

Autoria: Teta Barbosa

Colaboração: Deise Regina –
Gerente de vendas na empresa Altenburg Textil

Só o amor não sustenta relação

 

Aos que não casaram,

Aos que vão casar,

Aos que acabaram de casar,

Aos que pensam em se separar,

Aos que acabaram de se separar.

Aos que pensam em voltar…

Não existem vários tipos de amor, assim como não existem três tipos de saudades, quatro de ódio, seis espécies de inveja.

O AMOR É ÚNICO, como qualquer sentimento, seja ele destinado a familiares, ao cônjuge ou a Deus.

A diferença é que, como entre marido e mulher não há laços de sangue,

A SEDUÇÃO tem que ser ininterrupta..

Por não haver nenhuma garantia de durabilidade, qualquer alteração no tom de voz nos fragiliza, e de cobrança em cobrança acabamos por sepultar uma relação que poderia SER ETERNA

Casaram. Te amo pra lá, te amo pra cá. Lindo, mas insustentável. O sucesso de um casamento exige mais do que declarações românticas.

Entre duas pessoas que resolvem dividir o mesmo teto, tem que haver muito mais do que amor, e às vezes nem necessita de um amor tão intenso. É preciso que haja, antes de mais nada, RESPEITO. Agressões zero.

Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência… Amor só, não basta. Não pode haver competição. Nem comparações. Tem que ter jogo de cintura para acatar regras que não foram previamente combinadas. Tem que haver BOM HUMOR para enfrentar imprevistos, acessos de carência, infantilidades.

Tem que saber levar.

Amar só, pouco.

Tem que haver inteligência. Um cérebro programado para enfrentar tensões pré-menstruais, rejeições, demissões inesperadas, contas pra pagar.

Tem que ter disciplina para educar filhos, dar exemplo, não gritar.

Tem que ter um bom psiquiatra. Não adianta, apenas, amar.

Entre casais que se unem visando à longevidade do matrimônio tem que haver um pouco de silêncio, amigos de infância, vida própria, um tempo pra cada um. Tem que haver confiança. Certa camaradagem, às vezes fingir que não viu, fazer de conta que não escutou. É preciso entender que união não significa, necessariamente, fusão.

E que amar “solamente”, não basta.

Entre homens e mulheres que acham que O AMOR É SÓ POESIA,

tem que haver discernimento, pé no chão, racionalidade. Tem que saber que o amor pode ser bom pode durar para sempre, mas que sozinho não dá conta do recado.

O amor é grande, mas não são dois. Tem que saber se aquele amor faz bem ou não, se não fizer bem, não é amor. É preciso convocar uma turma de sentimentos para amparar esse amor que carrega o ônus da onipotência. O amor até pode nos bastar, mas ele próprio não se basta.

Um bom Amor aos que já têm!

Um bom encontro aos que procuram!

E felicidades a todos nós!

Texto de: ARTUR DA TÁVOLA

Colaboração: Margareth Sia de Fáveri

Relacionamentos

 

Depois de muito meditar sobre o assunto concluí que, os casamentos (relacionamentos) são de dois tipos: Há os casamentos do tipo tênis e há os casamentos do tipo frescobol.

Os casamentos do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e terminam sempre mal. Os casamentos do tipo frescobol são uma fonte de alegria e têm a chance de ter vida longa.

Explico-me.

Para começar, uma afirmação de Nietzsche com a qual concordo inteiramente.

Dizia ele: “Ao pensar sobre a possibilidade do casamento, cada um deveria se fazer a seguinte pergunta: Você crê que seria, capaz de conversar com prazer com esta pessoa até sua velhice”?

Tudo o mais no casamento é transitório, mas as relações que desafiam o tempo são aquelas construídas sobre a arte de conversar.

Sheerazade sabia disso. Sabia que os casamentos baseados nos prazeres da cama são sempre decapitados pela manhã, terminam em separação, pois os prazeres do sexo se esgotam rapidamente, terminam na morte, como no filme “O Império dos Sentidos”.

Por isso, quando o sexo já estava morto na cama e o amor não mais se podia dizer através dele, ela o ressuscitava pela magia da palavra: começava uma longa conversa sem fim, que deveria durar mil e uma noites.

O sultão se calava e escutava as suas palavras como se fosse música.

A música dos sons ou da palavra – é a sexualidade sob a forma da eternidade: é o amor que ressuscita sempre, depois de morrer.

Há os carinhos que se fazem com o corpo e há os carinhos que se fazem com as palavras. E contrariamente ao que pensam os amantes inexperientes, fazer carinho com as palavras não é ficar repetindo o tempo todo: ”Eu te amo…”

Barthes advertia: “Passada a primeira confissão, “eu te amo” não quer dizer mais nada. É na conversa que o nosso verdadeiro corpo se mostra, não em sua nudez anatômica, mas em sua nudez poética”.

Recordo a sabedoria de Adélia Prado: “Erótica é a alma”.

O tênis é um jogo feroz. O seu objetivo é derrotar o adversário. E a sua derrota se revela no seu erro: o outro foi incapaz de devolver a bola.

Joga-se tênis para fazer o outro errar. O bom jogador é aquele que tem a exata noção do ponto fraco do seu adversário, e é justamente para aí que ele vai dirigir sua “cortada”, palavra muito sugestiva, que indica o seu objetivo sádico, que é o de cortar, interromper, derrotar.

O prazer do tênis se encontra, portanto, justamente no momento em que o jogo não pode mais continuar porque o adversário foi colocado fora de jogo.

Termina sempre com a alegria de um e a tristeza de outro.

O frescobol se parece muito com o tênis: dois jogadores, duas raquetes e uma bola. Só que, para o jogo ser bom, é preciso que nenhum dos dois perca.

Se a bola veio meio torta, a gente sabe que não foi de propósito e faz o maior esforço do mundo para devolvê-la gostosa, no lugar certo, para que o outro possa pegá-la.

Não existe adversário porque não há ninguém a ser derrotado. Aqui, ou os dois ganham ou ninguém ganha. E ninguém fica feliz quando o outro erra, pois o que se deseja é que ninguém erre. E o que errou pede desculpas, e o que provocou o erro se sente culpado. Mas não tem importância: começa-se de novo este delicioso jogo em que ninguém marca pontos…

A bola: são nossas fantasias, irrealidades, sonhos sob a forma de palavras.

Conversar é ficar batendo sonho prá lá, sonho prá cá…

Mas há casais que jogam com os sonhos como se jogassem tênis. Ficam à espera do momento certo para a cortada.

Tênis é assim: recebe-se o sonho do outro para destruí-lo, arrebentá-lo, como bolha de sabão…

O que se busca é ter razão e o que se ganha é o distanciamento.

Aqui, quem ganha sempre perde.

Já no frescobol é diferente: o sonho do outro é um brinquedo que deve ser preservado, pois se sabe que, se é sonho, é coisa delicada, do coração.

O bom ouvinte é aquele que, ao falar, abre espaços para que as bolhas de sabão do outro voem livres. Bola vai, bola vem – cresce o amor…

Ninguém ganha para que os dois ganhem. E se deseja então que o outro viva sempre, eternamente, para que o jogo nunca tenha fim…

RUBEM ALVES é educador, escritor, psicanalista e professor emérito da Unicamp.

Coplaboração: Margareth Sia de Fáveri

Estamos todos no mesmo barco

c1d779f4a2-1400x1050

Há muitos anos, Tom era funcionário de uma empresa muito preocupada com a educação.

Um dia, o executivo principal decidiu que ele e todo grupo gerencial, um total de 12 pessoas, deveriam participar de um curso de sobrevivência, que tinha a forma de uma longa corrida de obstáculos

A prova era cruzar um rio violento e impetuoso.

Para surpresa de todos, pela primeira vez o grupo gerencial foi solicitado a dividir-se em três grupos menores de quatro pessoas para a superação daquele obstáculo.

Os grupos eram: A, B e C

O grupo “A” recebeu quatro tambores de óleos vazios, duas grandes toras de madeira, uma pilha de tábuas, um grande rolo de corda grossa e dois remos.

O grupo “B” recebeu dois tambores, uma tora e um rolo de barbante

Já o grupo “C” não recebeu recurso nenhum para cruzar o rio; eles foram solicitados a usarem os recursos fornecidos pela natureza, caso conseguissem encontrar algum perto do rio ou na floresta próxima.

Não foi dada nenhuma instrução a mais.

Simplesmente foi dito aos participantes que todos deveriam atravessar o rio dentro de quatro horas

Tom teve a “sorte” de estar no grupo “A”, que não levou mais do que meia hora para construir uma maravilhosa jangada.

Um quarto de hora mais tarde, todo o grupo estava em segurança e com os pés enxutos no outro lado do rio, observando os grupos em sua luta desesperada.

O grupo “B”, ao contrário, levou quase duas horas para atravessar o rio.

Havia muito tempo que Tom e sua equipe não riam tanto como no momento em que a tora e dois dos tambores viraram com seus gerentes financeiro, de computação, de produção e de pessoal

E o melhor estava por vir.

Nem mesmo o rugido das águas do rio era suficiente para sufocar o riso dos oito homens quando o grupo “C” tentou lutar contra as águas espumantes.

Os coitados agarraram-se a um emaranhado de galhos, que estavam se movendo rapidamente com a correnteza.

O auge da diversão foi quando o grupo bateu em um rochedo, quebrando os galhos.

Somente reunindo todas as forças que lhes restavam foi que o último membro do grupo “C”, o gerente de logística, todo arranhado e com os óculos quebrados, conseguiu atingir a margem, 200 metros rio abaixo.

Quando o líder do curso voltou, depois de quatro horas, perguntou:

Então como vocês se saíram?

O grupo “A” respondeu em coro:
Nós vencemos! Nós vencemos!

O líder do curso responde:

Vocês devem ter entendido mal. Vocês não foram solicitados a vencer os outros.

A tarefa seria concluída quando os três grupos atravessassem o rio dentro de quatro horas.

Nenhum deles pensou em ajuda mútua, nem sonhou em dividir os recursos (tambores, toras, corda e remos) para atingirem uma meta comum.

Não ocorreu a nenhum dos grupos coordenar os esforços e ajudar os outros.

Foi uma lição para todos no grupo gerencial.

Todos caíram direto na armadilha. Mas naquele dia, o grupo aprendeu muito a respeito de trabalho em equipe e de lealdade em relação aos outros.

MORAL DA HISTÓRIA

Se parássemos de encarar a vida e as pessoas como um jogo e milhões de adversários, muito provavelmente sofreríamos menos, compreenderíamos mais os problemas alheios e encontraríamos muito mais conforto no abraço de cada um.

Mas infelizmente, nos enxergamos como rivais, como se estivéssemos em busca de um tesouro tão pequeno que só poderia fazer vitorioso a uma única pessoa.

Ledo engano: o maior prêmio de nossa existência está na capacidade de compartilharmos a vida !

DICA = Estamos todos no mesmo barco!

Experimente acolher ao invés de julgar, perdoar ao invés de acusar e compreender ao invés de revidar!

É difícil, sem dúvida! Mas é possível e extremamente gratificante.

A vida fica mais leve, o caminho fica mais fácil e a recompensa, muito mais valiosa.

A EQUIPE FAZ A FORÇA

A equipe só sobrevive quando todos estiverem empenhados e comprometidos com os resultados, respeitando indistintamente a tudo e a todos.

Colaboração: Ana Paula Brandão Ferreira