Skip to main content

Sono… Sonhos… Por que Tanta Importância?

Dentre as necessidades fisiológicas dormir é uma das principais e mais gostosas de que necessitamos nesta vida, mas não é só isso. É muito mais que isto!

Quando temos uma noite de sono tranqüilo, reparador, despertamos alegres, bem dispostos e devidamente aptos à faina de mais um dia. Contrariamente, uma noite mal dormida nos predispõe a um dia cansativo e desanimador. E isto sem falarmos naquela noite fatídica em que os pesadelos nos açoitam impiedosamente, fazendo-nos acordar aos gritos, com o corpo todo trêmulo, suando frio, angustiados. O que nos levaria a essa experiência tão indesejável?

Por que tanta diversidade no ato de dormir e sonhar?… Por que tamanha influência em nosso cotidiano?… Que motivos se esconderiam nos insondáveis mistérios da noite?…

A ciência sabe que o sono tem outras necessidades básicas além daquelas que comumente se conhece, no entanto, ainda tateia nos campos intrínsecos e complexos do ato de dormir, em suas inúmeras variedades e nas conseqüências que trazem à nossa saúde como um todo. Abnegados e incansáveis os cientistas vão aos poucos desbravando o que o Espiritismo de há muito nos ensina.

Na literatura Espírita temos respostas a essas e a inúmeras outras questões onde a ciência ainda não conseguiu descortinar. No caso em questão essa literatura é muito vasta; Kardec no item 400 e seguintes de “O Livro dos Espíritos” nos propicia o entendimento dessas questões tão importantes quanto profundas. Há quem diga que quando dormimos é como se estivéssemos mortos. Na verdade é isto mesmo, porém, com uma grande diferença, pois quando dormimos nosso Espírito se desprende parcialmente do corpo e quando morremos, ele o faz definitivamente.

É o que nos afirma o Espiritismo através de Kardec nas questões citadas. Neste livro fascinante aprendemos que nosso Espírito pode, através do sono, viajar por outras esferas, visitar pessoas – vivas ou não – a quem amamos ou detestamos, nos conectando ainda com pessoas que estejam na mesma faixa vibratória – boas ou ruins – em que estivermos e, ainda, receber conselhos sobre questões que nos afligem e até mesmo visualizar coisas que estão por acontecer. Na maioria das vezes em que isto acontece não nos é possível a lembrança do fato, no entanto, ao despertarmos pela manhã “inexplicavelmente” intuímos a solução que tanto buscávamos. Outras vezes o esquecimento é ainda mais longo, porém seu efeito nada perde, pois que no momento oportuno se fará presente sob forma de “inspiração de momento” e então dizemos: “Eureka! Tive uma excelente idéia.”

Importante saber que o corpo deve, e precisa, ser respeitado na sua necessidade de repouso, mas é igualmente importante saber que, com o Espírito é diferente. É bem o caso de perguntarmos: Mas então o Espírito não descansa? E a resposta que lá encontramos se faz clara como o dia: “Não, o Espírito jamais está inativo… Quando o corpo repousa, acredita-o, tem o Espírito mais faculdades do que no estado de vigília. Lembra do passado e algumas vezes prevê o futuro. Adquire maior potencialidade e pode pôr-se em comunicação com os demais Espíritos, quer deste mundo, quer do outro…” Há dias, entretanto, em que não sonhamos… Não é bem assim, é que nem sempre nos lembramos de nossas “andanças noturnas”.

Na verdade, o sonho é a lembrança “possível” do que o Espírito viu e vivenciou durante o sono. Então perguntamos: “Como se explica os sonhos esdrúxulos que por vezes nos acometem?” É que nem sempre seria bom para nós a lembrança total de um sonho, bem por Sono… Sonhos… Por que Tanta Importância? isto a “providência” nos poupa, e os sonhos passam a ter sentido alegórico; ser representado por símbolos de difícil entendimento ou sua incoerência ser resultado das lacunas intencionais de que essa mesma “providência” usa em nosso benefício… “É como se a uma narração se truncassem frases ou trechos ao acaso. Reunidos depois, os fragmentos restantes nenhuma significação racional teriam.” Nesta ciranda maravilhosa de dormir e sonhar, dizem-nos os Bons Espíritos que também fazemos ou recebemos visitas de Espíritos de pessoas vivas, estejam onde estiverem – de vez que para o Espírito as distâncias não existem – e que, através dessas confabulações intercambiamos experiências sonhos e projetos, ajudando-nos mutuamente. Enfim, dormir e sonhar é o continuar maravilhoso das inúmeras dádivas com que nos presenteia o Deus Onipotente que nos criou para uma evolução a caminho da perfeição.

Colaboração: Doracy Mércia de Azevedo Mota

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.