Skip to main content

Para o espiritismo, o que é um encosto?

Por Janaína Harada-4 jul 2018, 20h13 – Publicado em 21 dez 2017, 15h58 – Revista Super Interessante

Cuidado com o pessimismo excessivo: ele facilita que um espírito encoste em você

É um espírito perdido que “encosta” em uma pessoa para sugar sua energia. Segundo o espiritismo, são almas que não aceitaram que partiram deste mundo ou não têm consciência de que estão mortas. E quanto mais tempo um espírito fica em nossa dimensão, mais chances tem de não fazer a passagem para o outro lado. Ele ficaria vagando até encontrar uma pessoa para se aproveitar de sua luz. “Para ter energia, nós nos alimentamos. O encosto não tem essa opção, então precisa da nossa energia para continuar existindo”, explica Tânia Gori, teóloga e professora da Universidade Livre Holística Casa de Bruxa. O “sanguessuga” pode ainda ser enviado por quem deseja o mal a alguém ou ser atraído pela negatividade da própria pessoa.

Sai de mim!

Saiba como identificar um encosto em uma pessoa e como se livrar dele

Na “bad”
Pessoas que teriam a energia sugada por um espírito poderiam apresentar alguns sintomas. Entre eles: mau humor, irritação, depressão e grandes chances de desenvolver algum tipo de vício, como o alcoolismo

Como se pega
O espírito se sentiria atraído pelo pessimismo, já que isso deixaria as pessoas desprotegidas (por isso, cultivar boas vibrações é uma forma de proteção). O encosto também poderia ser enviado por quem quisesse fazer o mal a alguém

Quem é você?
Os encostos poderiam ser almas de vidas passadas ou de familiares. Eles estariam em duas dimensões: a das pessoas más, que não estão mais em evolução; ou a de almas que buscam crescimento espiritual

Siga a luz
Se o espírito não faz a passagem, se torna maligno. Para que isso não aconteça, familiares podem pedir uma missa ou uma oração que o guie para a luz. O ritual pode ser feito por médiuns ou em centros espíritas

Desencostando
Para se livrar do espírito, a pessoa pode precisar de várias sessões de descarrego. O afligido fica no centro de um círculo formado por médiuns, que vão realizar a “puxada” para retirar o encosto. Após sair de um corpo, a alma segue vagando e pode voltar a “encostar” em alguém

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.