Skip to main content

O filme

A quantos filmes você já assistiu?
A quantos filmes ainda assistirá?
Esta vida terrena é marcada por chegadas e partidas.
Ninguém escolheu o dia em que chegou a este mundo, e não é possível saber o dia em que seremos chamados a deixar tudo o mais para trás e partir, a embarcar na Grande Partida.
Algumas tradições religiosas ensinam que, no momento da morte, a alma recém-liberta da matéria recorda cada instante da vida terrena que acabou de deixar para trás.
“Eis o filme da tua vida…”
Cada ato praticado, grande ou aparentemente insignificante, as boas ações e as constrangedoras, as realizadas à luz do dia ou na calada da noite, são mostrados sem nenhum embelezamento.
Frente a frente com o nosso registro, a mostrar tanto as virtudes, quanto as falhas.
A nossa consciência a nos julgar se soubemos fazer bom uso das nossas horas.
Muitas tradições definem o próximo mundo como “O Mundo da Verdade“, porque lá reconheceremos claramente o valor das ações que praticamos…
O “filme da vida” não tem pré-estréia, e uma vez concluído não haverá mesa de edição, não admitindo cortes, nem adições.
Existe uma tradição judaica que vai mais além, e menciona um segundo filme, um filme que mostra como a vida da pessoa poderia ter sido se as escolhas certas tivessem sido feitas, as oportunidades, aproveitadas, o potencial, utilizado.
Este segundo filme, – a dor do potencial desperdiçado -, seria mais difícil de suportar…
Todas as boas ações por praticar, os frutos e as flores que jamais brotaram porque falhamos em aproveitar as oportunidades, agora irremediavelmente e definitivamente perdidas.
Veremos refletidos no Espelho da Justiça todos os episódios da nossa vida…
A cada novo dia, a cada momento, fazemos escolhas e nos deparamos com oportunidades.
Somos nós roteiristas, diretores e atores do filme que está sendo rodado, filme este que, mais dia menos dia, seremos chamados a assistir.
A nós, e a mais ninguém, compete decidir as ações que praticamos, e o rumo que damos à nossa vida. Podemos:
– ser solidários, ou ser indiferentes;
– ser generosos, ou ser mesquinhos;
– purificar o nosso coração, ou corrompê-lo…
A cada escolha, filmamos uma cena do filme das nossas vidas…
Cultive o hábito de dedicar parte do teu tempo para refletir sobre o propósito da existência.
A vida não é só trabalho e descanso.
Não viemos a este mundo a passeio.
Esta vida terrena representa o estágio probatório da Eternidade.
Vivemos num tempo em que se faz necessário o sacrifício, o serviço desapegado em prol do próximo necessitado.
Ou assumimos a nossa parcela de bondade e de compaixão, de esforços em prol de um mundo mais justo, igualitário e fraterno, ou iremos todos afundar, – nós, a nossa sociedade, a humanidade…
Devemos manter amplo o nosso campo de visão e atuação, num mundo onde tantos se contentam em fechar-se em si, cuidando unicamente dos seus pequenos interesses pessoais.
Nós, os abençoados pelo destino, – que temos garantidas as nossas três refeições ao dia, que tivemos acesso à educação, e que desfrutamos de tempo e condições para acessar a internet -, somos minoria, uma parcela diminuta da sociedade.
A maior parte da humanidade apenas sobrevive, amparando a fragilidade da vida um dia após o outro…
São tantos os que em silêncio esperam por um punhado de compaixão, por uma mão cheia de justiça…
O que será que a menina de tanto destituída responderá no dia em que lhe for dirigida a seguinte pergunta:
“Acaso encontraste, neste vasto mundo, alguém disposto a tentar amenizar a tua dor…?”
Permanecerá ela em silêncio, ou pronunciará alguma palavra…?
A nós, você e eu, compete decidir qual será a resposta.
Não deixe para amanhã.
Não há tempo.
Amanhã pode ser muito tarde…
O ser humano é fruto de um longo processo evolutivo;
com sua mente racional, e seu coração capaz de sentir compaixão, situa-se no ápice da evolução.
Porém, nos últimos tempos, infelizmente, a humanidade tem-se desviado do seu rumo, conforme atesta o triste cenário que prevalece atualmente.
Os desafios que encontramos à nossa frente, – destinados a conduzir à regeneração e à plenitude da nossa condição humana -, exigirão esforços à altura…
Quem são os heróis que se esforçarão por manter acesa a chama da solidariedade, do amor e da esperança, em meio às ventanias do desamor, do medo e da indiferença…?
Dê ouvidos às canções do espírito, às melodias d’alma,
e serão elas o teu passaporte para a eternidade.

Enviado por: Rosely Pedro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *