Skip to main content

O fenômeno da morte

Programa Transição – Direitos autorais da REDETV – Entrevistado: Divaldo P.Franco

4 comentários em “O fenômeno da morte

  1. Cara colega Yara, Jesus declarou: “Os que fazem o bem ostentosamente já receberam sua recompensa.” Contudo, se você praticou o bem, procurou o melhor possível para um ente querido ou amigo que partiu já se pagou a si mesmo. O bem praticado de coração sem ostentar orgulho tem mérito dobrado pela caridade material que passa a ser moral também. Se você Yara acha que não pode fazer todo o bem que desejaria, por falta de recursos ou outro problema qualquer foi sem duvida louvável a intenção. Há uma história que chegou do outro lado do nosso mundo e achamos interessante nesta oportunidade:
    Dois homens acabavam de morrer. Dissera Deus: Enquanto esses dois homens viverem, deitar-se-ão em sacos diferentes as boas ações de cada um deles, para que por ocasião de sua morte sejam pesadas. Quando ambos chegaram aos últimos momentos, mandou Deus que lhe trouxessem os dois sacos. Um estava cheio, volumoso, atochado, e nele ressoava o metal que o enchia; o outro era pequenino e tão vazio que se podiam contar as moedas que continha. Este o meu, disse um, reconheço-o; fui rico e dei muito. Este o meu, disse o outro, sempre fui pobre, oh! quase nada tinha para repartir. Mas, oh! surpresa! postos na balança os dois sacos, o mais volumoso se revelou leve, mostrando-se pesado o outro, tanto que fez se elevasse muito o primeiro no prato da balança. Deus, então, disse ao rico: deste muito, é certo, mas deste por ostentação e para que o teu nome figurasse em todos os templos do orgulho e, ao demais, dando, de nada te privaste. Vai para a esquerda e fica satisfeito com o te serem as tuas esmolas, contadas por qualquer coisa. Depois, disse ao pobre: Tu deste pouco, meu amigo; mas, cada uma das moedas que estão nesta balança representa uma privação que te impuseste; não deste esmolas, entretanto, praticaste a caridade, e, o que vale muito mais, fizeste a caridade naturalmente, sem cogitar de que te fosse levada em conta; foste indulgente; não te constituíste juiz do teu semelhante; ao contrário, todas as suas ações lhe relevaste: passa à direita e vai receber a tua recompensa. -Um Espírito protetor. (Lião, 1861.)
    Portanto, quando precisar socorrer novamente não peças contas à sua consciência.
    Abraços

  2. gostaria de saber quandoo ente querido é tirado de nós atravaz de uma morte brutal e achamos que não fizemos tudo que podiamos na area do socorro hospitalar,será que faltou cuidados por isso o ente querido se foi?gostaria de ersposta obrigado

  3. Agradecemos pela sua visita. esperamos que você tenha gostado. Caso tenha sugestões, mensagens que não estão neste site, envie que sera editado com seus créditos. Nosso lema é: Luz para todos. Abraços

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *