Skip to main content

Morrer é preciso

Num artigo muito interessante, Paulo Angelim, que é arquiteto, pós-graduado em marketing,dizia mais ou menos o seguinte nós estamos acostumados a ligar a palavra morte apenas a ausência de vida e isso é um erro
existem outros tipos de morte e precisamos morrer todo dia a morte nada mais é do que uma passagem, uma transformação.
Não existe planta sem a morte da semente, não existe embrião sem a morte do óvulo
e do esperma, não existe borboleta sem a morte da lagarta, isso é óbvio
a morte nada mais é que o ponto de partida para o início de algo novo
a fronteira entre o passado e o futuro se você quer ser um bom universitário, mate dentro de você o secundarista aéreo que acha que ainda tem muito tempo pela frente
quer ser um bom profissional?
Então mate dentro de você o universitário descomprometido
que acha que a vida se resume a estudar só o suficiente para fazer
as provas quer ter um bom relacionamento?
Então mate dentro de você o jovem inseguro, ciumento, crítico, exigente, imaturo, egoísta ou o solteiro solto que pensa que pode fazer planos sozinho, sem ter que dividir espaços, projeto e tempo com mais ninguém
quer ter boas amizades?
Então mate dentro de si a pessoa insatisfeita e descompromissada, que só pensa em si mesmo. mate a vontade de tentar manipular as pessoas de acordo com a sua conveniência. respeite seus amigos, colegas de trabalho e vizinhos
enfim todo processo de evolução exige que matemos o nosso “eu” passado, inferior
e qual o risco de não agirmos assim?
O risco está em tentarmos ser duas pessoas  ao mesmo tempo, perdendo o nosso foco, comprometendo essa produtividade, e, por fim prejudicando nosso sucesso muitas pessoas não evoluem porque ficam se agarrando ao que eram, não se projetam para o que serão ou desejam ser elas querem a nova etapa, sem abrir mão da forma como pensavam ou como agiam acabam se transformando em projetos acabados, híbridos, adultos infantilizados
podemos até agir, às vezes, como meninos, de tal forma que não mantemos as virtudes de criança
que também são necessários anos, adultos, como: brincadeira, sorriso fácil, vitalidade, criatividade, tolerância, etc.
mas, se quisermos ser adultos, devemos necessariamente matar atitudes infantis, para passarmos a agir como adultos
quer ser alguém (líder, profissional, pai ou mãe, cidadão ou cidadã, amigo ou amiga)
melhor e evoluído?
Então, o que você precisa matar em si, ainda hoje, é o “egoísmo” é o “egocentrismo”, para que nasça o ser que você tanto deseja ser pense nisso e morra.
mas, não esqueça de nascer melhor ainda o valor das coisas não está no tempo em
que elas duram, mas na intensidade com que acontecem
por isso existem momentos inesquecíveis, coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis

Fernando  pessoa
Enviado por: Alfred J. Trautmanis

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *