Skip to main content

Escuta Íntima

por Aline Rangel (Psicóloga)
Ouvir-se em profundidade é processo demasiado complexo e desafiador.
Diferente do que esperamos, ao buscarmos melhores níveis de
autoconhecimento, ao investirmos criteriosamente em autodescoberta, não
nos deparamos com uma voz a clamar pelo que nos faz melhores, mas sim
inúmeros e discordantes apelos que nos alertam para o fato de sermos
múltiplos em nós mesmos. E tal realidade, em princípio assustadora, pode se
converter em convite enfático a que nos voltemos ao recanto mais profundo da
alma, ao coração para, como nos orienta a mentora Eugênia, ouvir a voz da
paz, a voz de Deus, a melodia-tema de nossas vidas a inspirar pensamentos,
decisões, escolhas, condutas, mudanças…
Nesta viagem-escuta, vale nos perguntarmos que tipo de mensagem pretendemos
deixar ao longo da jornada? De que forma os diferentes sons, as diversas
vozes vão se organizar e se expressar? O que temos a oferecer… será beleza
ou escuridão? Nada fácil abrir-se a este diálogo interno, de resultados
normalmente imprevisíveis. … Um tanto perturbador ouvir em si melodias que
nos lembram tristeza ou destruição. Mas se não nos dispomos a conhecê-las,
também não teremos o prazer da descoberta das canções que fazem vibrar a
alma no que ela tem de mais bonito e transformador. E para não nos perdermos
em meio a tantas surpresas, é preciso nos abrirmos à condução do Self,
através da busca de significados mais profundos, de valores transcendentes,
de metas genuinamente espirituais.
Protegidos, assim, das escolhas e decisões caprichosas do ego, da
superficialidade dos interesses imediatos e mesquinhos, de condutas
meramente convencionais, do desejo de corresponder a expectativas alheias,
podemos nos aproximar do que nos diz respeito em nível profundo, daquilo que
desperta e fortalece o que é singular em nós. O amor é a verdadeira música
da vida a inspirar nossas vozes esquecidas, desafinadas, à expressão maior
de beleza e bem-aventurança. Ser mais do que palavras perdidas e confusas,
notas dissonantes, sem vida… Fazer da existência um hino de felicidade
plena, encantando a si e ao mundo com o que se tem de mais belo e
original… Nosso destino divino!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *