Skip to main content

Alma de criança

 

Com os anos vamos perdendo a inocência,  que não é outra coisa que a sabedoria  que Deus nos presenteou.

Foi solicitado em uma ocasião ao autor  e orador Leo Buscaglia que fizesse parte  de jurado em um concurso.

O propósito de concurso era encontrar a criança mais carinhosa.

Primeira história
O vencedor foi um menino de 4 anos,  vizinho de um velho cuja esposa havia  falecido.
O menino, ao ver o velho chorar  no quintal da sua casa, se acercou  e se sentou no seu colo.
Quando sua mãe lhe perguntou o que  lhe havia dito ao vizinho, o menino lhe respondeu:
“Nada, só lhe ajudei a chorar”.
A professora Debbie Moon estava estudando  com seu grupo de primeira ano a gravura  de uma familia.
Na gravura havia um menino que tinha  cabelos de cor diferente  do resto  da familia.

Segunda história
Um dos meninos do grupo sugeriu que o menino da pintura era adotado.
Então, uma menina do grupo lhe disse:
“Eu sei tudo de adoções porque eu sou adotada”.
“Que significa ser adotado?”perguntou outro menino.
“Significa“ – disse a menina –”que tu cresces no coração de  tua mamãe ao invés de crescer   no seu ventre”.

Terceira história
Jamie estava tentando conseguir fazer parte numa peça teatral na escola.
Sua mãe contava que o menino havia  posto seu coração nisso e ela temia que não  fosse eleito.
No dia que os personagens da peça  foram distribuídas, eu estava na escola.
Jamie saiu correndo com os olhos brilhantes,com orgulho e emoção.
“Adivinhe, mamãe” gritou e logo disse as palavras que permanecerão como uma lição para mim:
“Fui escolhido para aplaudir e animar”.

Quarta história
Um menino de 10 anos estava parado  em frente a uma loja de sapatos na  rua, descalço apontando através da vitrine  e tremendo de frio. Uma senhora se  acercou do menino e lhe perguntou:”Meu pequeno amigo, o que estás olhando com tanto interesse nesse vitrine?”.
“Estava pedindo a Deus que me desse um par de sapatos”, foi a resposta do menino.
A mulher pegou o menino pela mão  e entraram na loja. Pediu ao atendente  meia dúzia de pares de meias para  o menino. Pediu um recipiente com água  e toalha e foram para os fundos da  loja onde ela lavou os pés do menino,  calçou com as meias e lhe comprou  um par de sapatos.
Juntou o resto dos pares de meias  e os deu ao menino. Acariciou a cabeça  do menino e lhe disse:
“Não há dúvida pequeno amigo, que agora estás mais confortável!”.
Quando ela dava meia volta pra ir  embora, o menino agarrou a mão e  olhando-as com lágrima nos olhos lhe  perguntou:
“Você é a esposa de Deus?”.

Colaborador: Renato Adhemar

renato.adhemar@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *