Skip to main content

A pedra

O distraído nela tropeçou…
O bruto a usou como projétil.
O empreendedor, usando-a, construiu.
O camponês, cansado da lida,
dela fez assento.
Para meninos, foi brinquedo.
Drummond a poetizou.
Já, David matou Golias e
Michelangelo extraiu-lhes
a mais bela escultura…

E em todos esses casos,
a diferença não esteve na pedra,
mas no homem!
Não existe “pedra” no seu caminho
que você não possa aproveitá-la
para o seu próprio crescimento.

Cada instante que passa
é uma gota de vida
que nunca mais torna a cair,
aproveite cada gota para evoluir…

Das oportunidades saiba tirar o melhor proveito,
talvez não teremos outra chance.

————- [ Atualizado ] ————-

Este poema foi publicado em 1999 no livro: Essência.
Autor: Antonio Pereira (Apon)
www.aponarte.com.br/2007/08/pedra.html

Um comentário em “A pedra

  1. Caros amigos.

    Esse meu poema: A pedra. Circulava como de autor desconhecido ou com o nome de plagiadores. Agora aparece como de Chaplin, Renato Russo, Fernando Pessoa, sem citar a autoria…
    O real autor é Antonio Pereira (Apon). Todos os esclarecimentos em:
    http://www.aponarte.com.br/2007/08/pedra.html

    A forma original do poema:

    O distraído, nela tropeçou,
    o bruto a usou como projétil,
    o empreendedor, usando-a construiu,
    o campônio, cansado da lida,
    dela fez assento.
    Para os meninos foi brinquedo,
    Drummond a poetizou,
    Davi matou Golias…
    Por fim;
    o artista concebeu a mais bela escultura.
    Em todos os casos,
    a diferença não era a pedra.
    Mas o homem.

    Título: A pedra
    Nome do autor: Antonio Pereira (Apon)
    Link para a fonte original: http://www.aponarte.com.br/2007/08/pedra.html

    Solicito a cooperação na Correção do conteúdo, incluindo os créditos necessários ou a exclusão do mesmo, para que o poema não siga equivocadamente como de “autor desconhecido” ou com outras possíveis distorções quanto a real autoria.

    Se possível, conto com a colaboração na divulgação desses esclarecimentos em Blogs/Sites e Redes Sociais.

    Um grande abraço.

    Antonio Pereira (Apon)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *